Certo No Papel Não É Certo Idiomaticamente

Toda língua é um conjunto vivo de palavras, regras gramaticais entre outras coisinhas mais. Quando aprendemos um idioma estrangeiro e conseguimos escrever pequenos textos nessa tal língua ficamos extáticos... Até que nosso professor de língua nos corrije.




Mas espera aí (você pensa), minhas frases estão gramaticalmente corretas, por quê não posso isso dizer assim e por quê você me diz que devo dizer isso assado?

O problema que muitos alunos enfrentam (especialmente os de nível avançado) é saber qual a maneira idiomática correta de elaborar frases e consequentemente textos na língua estrangeira que eles estudam.

Mas o que é linguagem idiomática para começo de conversa? Esse tipo de linguagem vai além das estruturas conhecidas de gramática, ela engloba estruturas que são utilizadas diariamentes por falantes nativos da língua e que ,infelizmente, podem mudar dependendo do nível socio-econômico e geracional do falante em questão, o que nos diz que há diversos grupos de linguagem idiomática dentro de uma só língua.

A linguagem idiomática também pode variar dependendo da situação do país em questão, tal qual a situação política, linguagem popular, entre outros fatores.

Isso faz com que professores brasileiros tenham que estar sempre atualizados com os acontecimentos mundiais e como eles influenciam o idioma que eles ensinam, assim como também entender a diferença entre as várias linguagens idiomáticas atuais.

Já no lado dos alunos, isso faz com que eles tenham que se aprofundar um pouco mais na cultura do país (ou países) no qual a língua que eles estudam é falada caso eles queiram realmente enteder o porquê do uso de tal estrutura e não aquelas que eles conhecem desde o nível intermediário.

Mais uma vez vemos que o estudo da cultura anda de mãos dadas com o estudo de línguas estrangeiras e que é quase impossível ignorar a influência que a mesma exerce sobre o aprendizado.

Inclusive já foi comprovado que quanto mais abertos estamos a determinada cultura, mais fácil será nosso aprendizado do idioma dessa mesma cultura, entre outras coisas.

Melissa

Poliglota, expatriada, cabeça-aberta, curiosa sobre tudo relacionado a idiomas.