OsTipos De Inteligência No Aprendizado De Línguas

Você alguma vez já duvidou da sua capacidade de aprender outra língua ou já sofreu tentando assimilar palavras e estruturas que realmente não “colaram” na sua mente? 

Você já começou a estudar espanhol ou inglês e acabou desistindo ou se formou do curso sem falar muita coisa? Se alguma dessas coisas aconteceu contigo, acredite... Você não é o único.


As razões dadas acima são algumas daquelas que fazem com que estudantes de línguas simplesmente desistam de seu curso ou que saiam deles falando “malemá” e mesmo depois de ter o bendito certificado em mãos eles tremem ao saber que serão entrevistados em inglês ou espanhol para aquela sonhada vaga de emprego. 

Obviamente escolher a melhor escola de línguas é algo que ajuda no aprendizado, mas e se o aprendizado não dependesse somente do tipo de escola e material? E se ele dependesse também do tipo de aluno?

Esse tipo de pensamento não é incomum e certamente faz sentido, já que o esforço do aluno e tempo que ele dedica a seus estudos aumentarão sua probabilidade de ser bem sucedido em seu objetivo.

 Porém além de tempo e dedicação há outro fator super individualizado que influencia bastante no aprendizado de idiomas: os tipo de inteligência que o aluno possui.

Quando falamos de inteligência a primeira coisa que pensamos é na mente de Einstein e de outros cientistas famosos que receberam o prêmio Nobel. 

Esse tipo de inteligência  obviamente é uma das mais conhecidas, no entanto há outros tipos de inteligências e dependendo do tipo que o estudante possuir melhor ou pior será a experiência que ele terá durante o aprendizado de idiomas ( e de outras matérias).

De acordo com pesquisadores da área cognitiva há ao todo nove tipos de inteligências, elas são respectivamente conhecidas como:

1. Inteligência lógica (matemática):


Essa talvez seja o tipo de inteligência mais conhecido e celebrado. Quando esse tipo de inteligência é predominante em um indivíduo ele consequentemente se sente mais à vontade ao resolver problemas lógicos e obtém sucesso ao fazê-lo. Essa é a capacidade de usar símbolos e conceitos abstratos para resolver problemas.

2. Inteligência musical: 


Essa é a capacidade de distinguir entre diferentes ritmos, timbres e tons musicais. Ela também pode ser expressa com uma facilidade para memorizar tons e tocar instrumentos musicais.

3. Inteligência cinestésica: 


A capacidade de usar o corpo e mente em sincronia perfeita. Pessoas com esse tipo de capacidade costumam aprender coisas novas através de contato com objetos e através de atividades físicas.

4. Inteligência existencial:


A capacidade de analisar e desenvolver conceitos filosóficos e ou religiosos no dia-a-dia.

5. Inteligência espacial/visual: 


Capacidade de resolver problemas com objetos tridimensionais. Pode também ser expressa com habilidade artística e grande imaginação. Pessoas com esse tipo de inteligência dominante costumam ser mais visuais.

6. Inteligência intrapessoal ou social: 


A capacidade de se relacionar com as demais pessoas e através disso obter diversas perspectivas sobre o mesmo assunto. Pessoas com esse tipo de inteligência costumam ser extrovertidas.

7. Inteligência interpessoal:


A capacidade de se entender, entender os próprios pensamentos , sentimentos e objetivos pessoais. Pessoas com esse tipo de inteligência costumam ser introvertidas e tímidas.

8. Inteligência naturalista:


A capacidade de distinguir diferentes formas de vida e fenômenos da natureza. Pessoas com esse tipo de inteligência costumam saber distinguir entre diferentes espécimes de animais e ou plantas que são idênticos aos olhos de outras pessoas.

9. Inteligência línguistica: 


E por último aquela capacidade de usar palavras  para entender e expressar conceitos complicados. Pessoas com esse tipo de inteligência costumam ter facilidade para aprender outras línguas e para se comunicar de forma mais efetiva.

Cada ser humano possui uma mistura dessas inteligências (mais ênfase em duas ou três delas e menos nas demais, por exemplo) e ela fará com que seja mais fácil aprender novos conceitos através daquilo que faz a mente se sentir “mais confortável” e trabalhar mais rapidamente. O mesmo ocorrerá com o aprendizado de línguas.

Uma pessoa com inteligência musical , por exemplo, pode se beneficiar bastante se utilizar música para aprender outra língua, já uma pessoa cinestésica obterá muitos mais resultados se ela participar de esportes onde as regras sejam dadas na língua estrangeira ou através de atividades física praticadas fora da sala de aula mas que usem conteúdo de línguas.

Cada estudante terá mais progresso se souber seus tipos de inteligências e se ele souber usá-las a seu favor. Dessa maneira não haverá falta de interesse por parte do aluno (que o faça desistir do curso ou de empurrar o curso com a barriga até o fim, como comentamos no primeiro parágrafo) e ele entenderá a verdadeira satisfação em aprender um outro idioma.

Você sabe quais seus tipos de inteligência dominantes? Já utilizou recursos específicos para aprender ou ensinar  línguas tendo em vista seus tipos de inteligência ou de seus alunos ? Conte para nós abaixo.

Melissa

Poliglota, expatriada, cabeça-aberta, curiosa sobre tudo relacionado a idiomas.